50 Dicas Para Baixar A Hipertensão Arterial

Deixo aqui algumas dicas, por mim compiladas, que poderão ajudar aqueles que descobriram ter a tensão arterial (TA) aumentada. Resolvi fazer esta compilação depois de uma crise de hipertensão, tendo consultado vários sites da especialidade. De qualquer forma, o primeiro passo deve ser sempre o de consultarem um médico ou dirigirem-se a uma urgência hospitalar (como eu fiz), no caso de a hipertensão ser demasiado elevada!

  1. Há diversos graus de tensão arterial:
  • Tensão normal: 120 / 80 mm Hg (sistólica e diastólica)
  • Pré-hipertensão: 121 / 81 a 139 / 89
  • Hipertensão de grau 1: 140 / 90 a 159 / 99
  • Hipertensão de grau 2: 160 / 100 a 179/109
  • Hipertensão de grau 3: 180 / 110 a 209/119
  • Hipertensão de grau 4: > 210 / 120
  1. Em cerca de 90 a 95% das situações, não se conhece a causa da hipertensão arterial do paciente. A hipertensão arterial pode ser hereditária, pode ter a ver com a alimentação, com o estilo de vida, com doenças conhecidas ou desconhecidas do paciente.
  2. A tensão arterial deve ser controlada visto que a hipertensão vai danificando os vasos sanguíneos e, a médio ou longo prazo, pode provocar derrames cerebrais (AVC’s), falência dos rins e ataques cardíacos.

    hipertensão arterial

    Meça a tensão arterial regularmente

  3. A hipertensão não tem cura, mas tem tratamento de forma a ficar controlada.
  4. A tensão arterial varia ao longo do dia, devido ao stress, esforços físicos realizados, transtornos emocionais, cansaço, trabalho da digestão, etc.. Por isso, é necessário fazer várias medições da tensão arterial ao longo do dia, para se obter o padrão da nossa tensão arterial nesse período.
  5. Para medir a tensão arterial, deve pôr-se o mais calmo possível, sentar-se confortavelmente, sem falar, com o braço, onde se vai medir a TA, à altura do coração. Não convém também ter fumado, bebido café ou comido nos últimos 30 minutos. Se esteve a fazer esforços, descanse durante alguns minutos, antes de medir a TA. Faça mais do que uma leitura, até encontrar o valor mais provável.
  6. A tensão arterial é geralmente mais alta durante o dia e mais baixa à noite, durante o sono. Também sobe após as refeições, em virtude de o coração ter de bombear mais sangue para realizar a digestão, voltando depois ao normal. Como os alimentos são diferentes, a TA pode variar consoante os tipos de alimentos ingeridos.
  7. Note que a tensão arterial pode estar alta e o paciente não sentir nada, isto é, muita gente é hipertensa sem o saber. Por isso, é chamada de assassina silenciosa e deve ser medida regularmente.
  8. Alguns dos sintomas da hipertensão arterial são: tonturas, desmaios, dores de cabeça ou de pescoço leves, dores torácicas, cansaço, hemorragias nasais, sudorese, distúrbios visuais, face corada, náuseas, vómitos, dispneia (falta de ar), tremor, palidez, zumbidos no ouvido.
  9. A hipertensão resistente é aquela que é de difícil controle. Só é considerada hipertensão resistente quando são experimentados pelo menos três medicamentos anti-hipertensores diferentes, sendo um deles um diurético, sem que se tenha conseguido controlar a tensão. Esta situação é, no entanto, menos frequente (calcula-se que cerca de 15% dos hipertensos), visto haver atualmente medicamentos anti-hipertensores muito fortes e que tratam a maioria das situações de hipertensão. São então utilizados diferentes fármacos, em comprimidos, ou injetados nas veias, até se acertar na combinação mais adequada. O tratamento intravenoso é o utilizado para os casos mais graves, permitindo uma resposta mais rápida.
  10. Depois de medicado para a hipertensão arterial, só deve abandonar o tratamento depois de o médico o determinar, mesmo que se sinta melhor. Em muitos pacientes, a medicação contra a hipertensão é para toda a vida.
  11. Os medicamentos anti-hipertensores têm alguns efeitos secundários. Por isso, deve ler a bula respetiva, para conhecê-los antecipadamente e perceber se algum desses efeitos se manifesta, informando o médico da situação.
  12. Reduza a quantidade de sal (cloreto de sódio – NA) ingerida. O sódio, presente no sal, provoca a retenção de água nas artérias, aumentando a tensão arterial TA. Substitua o sal por ervas aromáticas nos cozinhados ou utilize o sal light (tem potássio misturado).
  13. Consuma alimentos com potássio: banana, frutos secos, melancia, melão, abacate, abóbora, laranja, uva, tomate, feijão, grão, ervilhas, maçã, mamão, pevides de abóbora, sardinha, beterraba, cenoura crua, pimenta. O potássio ajuda a eliminar o sódio do organismo.
  14. As doenças crónicas como o colesterol, diabetes, doenças renais e apneia do sono estão associadas a um risco aumentado da tensão arterial. Por isso, esteja atento. Controle os seus níveis de colesterol e de açúcar no sangue.
  15. Para reduzir o colesterol, evite as gorduras (carnes gordas, todo o tipo de fritos, enchidos, queijos gordos, etc.). Também há medicação para reduzir o colesterol.
  16. Substitua os enlatados e pré-cozinhados por comida feita na hora, para evitar o sal, corantes e conservantes que esses alimentos sempre têm em quantidade.
  17. Beba muita água – ajuda a eliminar o sódio em excesso no organismo.
  18. Consuma muita fruta e vegetais – 5 porções por dia – são boas fontes de potássio.
  19. Consuma carne moderadamente e dê primazia às carnes magras: frango, peru, pato.
  20. Rir, gargalhar ajuda a relaxar o corpo, aumenta as endorfinas, baixando a TA.
  21. Evite medicamentos vasoconstritores (contraem os vasos sanguíneos) que provocam a subida da tensão arterial, como: pílula anticoncecional, descongestionantes nasais, corticoides, anti-inflamatórios não-esteróides (AINE). Leia as bulas de todos os medicamentos receitados.
  22. Evite o sedentarismo. Movimente-se, caminhe, corra, etc. Faça exercício físico regular – 30 a 45 minutos, 3 a 5x por semana.
  23. Algumas das principais causas da hipertensão arterial são a ansiedade, o stress e o excesso de horas de trabalho seguidas. Por isso, se se sente ansioso, meça a tensão arterial e confirme! Terá de tratar a ansiedade, baixando assim a sua tensão arterial. Há medicação para a ansiedade.
  24. Um dos truques caseiros para baixar a ansiedade consiste em expirar para dentro de um saco de papel ou plástico (bem ajustado à boca, com nariz fechado) e, depois, inspirar o ar (com dióxido de carbono) que ficou dentro do saco. Desta forma, repõe-se no organismo o equilíbrio entre oxigénio e dióxido de carbono, baixando a ansiedade. Repita até se sentir melhor.
  25. Outra técnica para baixar a ansiedade consiste em inspirar muito lentamente, reter o ar nos pulmões até aguentar e, depois, expirar também lentamente. Ao fim de algumas respirações, há de sentir-se melhor.
  26. Note que o simples ato de medir a tensão arterial pode provocar alguma ansiedade na pessoa e, portanto, o aumento da tensão arterial, falseando os resultados. O mesmo acontece quando o médico mede a TA ao doente, no consultório – é a chamada ‘hipertensão da bata branca’ (do médico). Por isso, respire fundo durante algum tempo, antes de medir a TA, e faça várias leituras.
  27. Modere o consumo de álcool. O vinho tinto – um copo por refeição – pode ser bebido, devido à sua ação vasodilatadora (dilata os vasos, diminuindo a tensão ou pressão arterial).
  28. Ingira ómega 3, alho e cebola – contêm antioxidantes que baixam a TA e o colesterol. O colesterol (gordura no sangue) elevado está associado à tensão arterial elevada.
  29. A dor aumenta a tensão arterial e a tensão arterial também pode provocar dores (de cabeça, pescoço, olhos, peso nas pernas, palpitações). Por isso, existe muitas vezes a dúvida sobre o que causa o quê, isto é, qual a causa e qual o efeito.
  30. Não fume! O fumo aumenta o ritmo das batidas do coração, aumentando a TA.
  31. Perca peso. O aumento de peso está geralmente associado à subida da tensão arterial – o coração tem que fazer mais força para executar as tarefas.
  32. Coma alimentos ricos em ómega 3: cavala, salmão, sardinha, atum, arenque, sementes de linhaça, nozes.
  33. Beba chá verde – contém antioxidantes que beneficiam o coração.
  34. Beba chá de folhas de oliveira – tem funções vasodilatadoras, diminuindo a pressão arterial.
  35. Os alimentos de soja ajudam a baixar a TA.
  36. Cuidado com alguns dos adoçantes artificiais que têm sódio na sua composição (sacarina de sódio e ciclamato de sódio). A stevia (adoçante natural, à base de plantas) não tem sódio na composição, não provocando subida da tensão arterial.
  37. Reduza a quantidade de café ( duas chávenas por dia) ou elimine-o da alimentação.
  38. Pratique meditação, ioga e técnicas de controle da respiração – ajudam a baixar a hipertensão, a médio e  longo prazo.
  39. Tome coenzima Q10 – reduz a TA e colesterol.
  40. Tome vitamina C – ajuda a eliminar os metais pesados, como o chumbo, baixando a TA.
  41. Tome suplementos de cálcio + magnésio – ajudam a baixar a TA.
  42. Segundo estudos efetuados, o ácido acetilsalicílico (aspirina) ajuda a baixar a TA, de preferência tomado antes de dormir. Em contrapartida, o paracetemol pode aumentar a tensão arterial.
  43. O oscillococcinum – produto homeopático para constipações e gripes – não provoca a subida da tensão arterial.
  44. A erva-cidreira é um calmante natural, ajudando a baixar a TA. Beba o seu chá.
  45. A idade é um fator de risco da hipertensão arterial.
  46. Estudos efetuados demonstraram que a tensão arterial elevada está diretamente ligada ao número de horas de trabalho diário.
  47. O frio também pode fazer subir a tensão arterial, ao contrair os vasos sanguíneos, aumentando assim a pressão arterial.
  48. Insisto em que faça exercício físico regular, praticando algum desporto. Dou o meu exemplo: depois de uma constipação forte, tendo abusado de descongestionantes nasais e outros medicamentos para constipações e gripes, associado a ter ficado de ‘molho’ durante alguns dias, somado a forte ansiedade, tive uma crise de hipertensão superior a 180/110. Os medicamentos receitados pelo médico baixaram-me a tensão progressivamente até chegar aos 140/95 e, quando recomecei o desporto – corrida + bicicleta, ao ar livre – só numa sessão, baixei a tensão para 128/90. Por isso, o desporto é para continuar! É o melhor medicamento e é muito barato!
  49. Por fim, deixo aqui uma frase que ouvi a um médico que é a seguinte ‘não há doenças; há doentes’. Quer isto dizer que cada pessoa é diferente das restantes e aquilo que faz mal (ou bem) a uns, pode não fazer a outros – os organismos são diferentes. Daí a razão de ser daquele conselho que ouvimos e lemos frequentemente: ‘não tome medicamentos receitados para outra pessoa’, mesmo que os problemas sejam semelhantes.

 

José V C Matias

12-12-2014

http://www.josematias.pt/eletr/

http://josematias.pt/

https://www.facebook.com/jvcmatias

Sobre josematias

Licenciado em Engenharia Electrotécnica, ramo Energia e Potência, pelo I.S.T., em 1977, cedo comecei a leccionar no Ensino Secundário, desde 1975 até à data. A falta, então existente, de material didáctico para o apoio das aulas teóricas e práticas da área de Electrotecnia/Electrónica, fez despertar a necessidade de produzir textos de apoio para os alunos que, em colaboração com o colega Ludgero Leote, permitiu que fossem publicados os livros ‘Automatismos Industriais – Comando e regulação’, ‘Sistemas de Protecção Eléctrica’ e ‘Produção, Transporte e Distribuição de Energia’, em 1981/2/3. A partir daí, nunca mais parei de escrever, o que para mim é um prazer! O colega Leote, com outros interesses diversificados, desistiu de escrever para publicação. Escrevi ainda o livro Máquinas Eléctricas-Transformadores com o colega José Rodrigues que, entretanto, se deslocou para o Portugal ‘profundo’ (um abraço)! Tive uma curta experiência como Orientador Pedagógico, à Profissionalização, no Alentejo, muito interessante, mas que não foi suficiente para deixar o contacto directo com o aluno, e com os livros, os quais saem bastante enriquecidos com esse contacto permanente. Na verdade, é bem verdadeiro o velho ditado “ao ensinar, aprende-se duas vezes”. É esta a principal razão para continuar com o giz e o apagador, e não dentro de um qualquer gabinete, apesar dos problemas actuais do nosso ensino. Se, cada um de nós, dentro das suas possibilidades, características e competências, dermos algo aos outros, sairemos todos mais enriquecidos! O meu trabalho é fundamentalmente autodidacta, com muita pesquisa (nos livros, na Internet, no laboratório real e, agora, no virtual). Apesar das dificuldades do ensino, nunca desisti, e não vou desistir. Acredito que este país irá saber dar a volta por cima ! Depende de cada um de nós!
Esta entrada foi publicada em baixar a pressão arterial, baixar a tensão arterial, controlar a tensão arterial, Hipertensão, Pressão arterial, saúde, tensão alta, Tensão arterial, tensão resistente, tratamentos. ligação permanente.