O Que A Nazaré Oferece Ao Turista!

A Nazaré é uma vila simpática situada a pouco mais de 100 km da capital, cerca de 100 km de Coimbra, 30 km das Caldas da Rainha, 12 km de Alcobaça e cerca de 60 km de Fátima. Portanto, muito bem situada do ponto de vista geográfico e dos roteiros turísticos nacionais.

A Nazaré – constituída por Praia da Nazaré, Pederneira e Sítio da Nazaré – tem um belíssimo areal de areia branca, com um Promontório alto que entra bem pelo mar adentro, a norte da vila, protegendo-a dos ventos de norte e noroeste, que são os predominantes no nosso litoral. A sul, está localizado o Porto de Abrigo e, a sul deste, há um extenso areal, que é designado por Praia de Sul e que termina na Praia do Salgado. A norte do Promontório, situa-se a Praia de Norte, que passou a ser conhecida nos meios do surf das ondas gigantes, desde que Garrett McNamara surfou as duas ondas gigantes que bateram recordes mundiais estabelecidos. E o culpado disto tudo é o Senhor Canhão da Nazaré!!

Na zona norte da Praia da Nazaré, junto ao Promontório, a praia apresenta excelentes condições balneares, com uma baía abrigada dos ventos e que, com a maré vazia e mar calmo, permite que toda a família possa, tranquilamente, brincar, saltar, nadar, correr e chapinhar.

O povo da Nazaré é, no geral, muito acolhedor do forasteiro, tratando-o com afabilidade e respeito. A mulher nazarena tem uma graça particular, que o forasteiro aprecia, não só pela sua indumentária própria, como pelo seu falar cantado e ainda pela sua brejeirice.

O Promontório da Nazaré – falésia alta que entra pelo mar adentro – , onde se localiza o Sítio da Nazaré, é talvez o elemento paisagístico que mais se distingue e cativa o forasteiro. É, por isso, um dos seus elementos distintivos. O Sítio da Nazaré tem uma vista fantástica para a Praia da Nazaré, permitindo alcançar uma enorme extensão marítima, a perder de vista.

A Pederneira tem também uma vista particular, não só sobre o Promontório, mas especialmente sobre o Porto de Abrigo, situado a Sul.

A Nazaré é conhecida no país pela terra das ‘chambres’, ‘rooms’ e zimmers’, que significam ‘quartos’, em português. Com efeito, desde há muitas décadas, já desde o final do século XIX, as nazarenas alugam os seus quartos e casas ao forasteiro que vem a banhos para a Nazaré – é bem visível essa oferta, através das tabuletas que ostentam nas ruas, com os dizeres ‘chambres’, ‘rooms’ e zimmers’. A Nazaré tem, no entanto, uma boa indústria hoteleira que é utilizada pelos forasteiros mais endinheirados.

Tem também uma oferta de Restauração diversificada, para todos os gostos e carteiras, com bom peixe e marisco. A cozinha portuguesa é riquíssima, de uma forma geral, e a Nazaré não é exceção a essa regra.

O Porto de Abrigo é também um dos pontos de atração turística local. É constituído por um Porto de Pesca e uma Marina para abrigo dos Barcos de Recreio da zona.

Porto de Abrigo da Nazaré

Porto de Abrigo da Nazaré

No Sítio da Nazaré, pode o forasteiro também visitar a bonita Igreja de Nossa Senhora da Nazaré, cuja construção foi iniciada no século XIV, e visitar a Ermida da Memória – local onde, segundo a lenda, Dom Fuas Roupinho conseguiu estacar o seu cavalo à beira do precipício, após rezar à Santa da Nazaré. A Nazaré faz parte dos circuitos turísticos religiosos, nacionais e internacionais. Desde a fundação da Igreja de Nossa Senhora da Nazaré que há relatos escritos de peregrinações à Nazaré, com a realização de Círios de várias regiões do país.

A Nazaré tem ainda uma marginal extensa, desde a Praça Sousa Oliveira, a norte, até ao Porto de Abrigo, a sul. A acompanhar a marginal, existe um passeio largo que o forasteiro gosta de utilizar nos seus passeios higiénicos e calmantes. Durante o período de verão, o comércio local está geralmente aberto até tarde, perto das 24 horas. À noite, no verão, é agradável ver famílias inteiras passeando no passeio da marginal, pondo as suas conversas em dia, apreciando quem passa ou fazendo as suas compras nas muitas lojas existentes, ao longo de todo o percurso. Em alguns fins-de-semana de agosto, chegam a estar na Nazaré cerca de 100 000 pessoas, numa vila que tem cerca de 10 000 habitantes – 10 vezes mais.

Na Nazaré, infelizmente já não se pode ver no areal aquela enorme azáfama típica dos pescadores e das peixeiras, no transporte e amanha de peixe, os barcos a entrarem ou a saírem do mar para o areal, nem os bois a puxarem os barcos e tantas outras atividades de outrora. Mesmo as redes da Arte Xávega, já só trabalham para inglês ver, em sessões organizadas pela Câmara Municipal. A construção do Porto de Abrigo – sonho antigo dos pescadores – pôs fim a essa atividade na praia. São os efeitos do progresso!

Uma das atividades interessantes é a visita ao Porto de Abrigo. O peão pode entrar e sair livremente do Porto de Abrigo, calcorreando o seu interior, fotografando, filmando o seu movimento ou os barcos ancorados, ou apreciando simplesmente a graciosidade das gaivotas que são aos milhares. De automóvel, também pode entrar e visitar, pagando cerca de 1 euro. O pôr-do-sol sobre os faróis dos molhes, de norte e de sul, também é um espetáculo a não perder, principalmente se conseguirmos juntar-lhe algum pescador na pesca à cana, ou barco de pesca a entrar ou a sair do porto. Se tiver uma máquina fotográfica, não perca o registo.

Outro ponto de interesse turístico na Nazaré é o pôr-de-sol alinhado com a Pedra de Guilhim ou ‘entalado’ entre a Pedra de Guilhim e o Promontório, durante o mês de agosto. Para isso, tem que se deslocar até à zona norte do areal e posicionar-se, com a sua câmara, no ponto certo. Depois, é esperar pelo instante certo e clicar!!! Se puder incluir uma gaivota, tanto melhor!

Se gosta de pesca, tem muito por onde escolher. Pode ir pescar, com cana e carreto, às cavalas, sarguetas, peixe-agulha, etc., nos molhes do Porto de Abrigo. Pode ainda inscrever-se no Porto de Abrigo para uma pescaria de barco, em grupo, ao largo da Nazaré. Pode fazer pesca submarina, junto aos molhes, junto ao Promontório ou onde entender melhor. Pode ainda fazer pescarias à cana, de dia ou de noite, na Praia de Sul, na Praia de Norte ou mesmo na praia da vila, de preferência à noite.

Se gosta de praticar Asa Delta, pode largar-se na Serra da Pescaria – Serra a sul do Porto de Abrigo – onde existe um local próprio para esses lançamentos, e depois percorrer o litoral adjacente à Nazaré,

Se gosta de praticar Surf, a altura ideal, na Nazaré, não é o mês de agosto, pois a praia está cheia de gente. No entanto, se houver marés vivas, há boas oportunidades de surfar algumas boas ondas. O melhor período é, por isso, fora da época balnear. Se quer ser um novo McNamara, então tem que vir à Nazaré de novembro em diante, para pegar uma das ondas gigantes que sempre aparecem, na Praia de Norte. O Canhão da Nazaré, reunidas as condições ideais de agitação marítima, correntes marítimas e ventos, pode produzir ondas entre os 30 e os 40 metros. Se essas ondas são pequenas demais para si, então não sei o que lhe aconselhar, pois é aqui que se formam as ondas maiores do mundo.

Se gosta de praticar desportos motorizados na água, como as motos de água, pode alugar uma no Porto de Abrigo, correr Seca e Meca, nas águas da Nazaré, para gáudio dos amigos e familiares.

Se dá mais valor às atividades culturais, pode visitar o Centro Cultural da Nazaré, situado perto da Avenida Marginal – Av Manuel Remígio -, a sul da Avenida Vieira Guimarães, visitar a exposição de livros e inscrever-se numa das muitas atividades que são lá organizadas e divulgadas.

Se aprecia a vida noturna nos bares e discotecas, também tem oferta diversificada, na Nazaré ou até nos arredores. Mas não abuse, porque durante o dia tem muito que ver, fazer e divertir-se.

Se apenas gosta de sol e praia, então traga uma toalha e estenda-se num ponto qualquer do extenso areal. Ninguém lhe vai cobrar nada pela ocupação do espaço ou pela utilização da água salgada do mar. Ah, e pode aproveitar para apreciar as beldades que passam ou que estão estendidas no areal, como você!

Se está só de passagem, não deixe de apreciar alguns prazeres, mesmo que curtos: passeie na marginal, observe, tires umas fotos, aprecie quem passa, beba uma água ou um café, enfim, guarde uma recordação da sua passagem, para mais tarde recordar. Envie também um postal ilustrado para alguém próximo, ou para si mesmo, que gostará de ler quando regressar a casa. Não esqueça – quem visita a Nazaré, um dia vai voltar! Só não sabe quando!  🙂

Se nunca andou de elevador ou ascensor, então aproveite e vá fazer uma visita ao Sítio da Nazaré, subindo no Ascensor. Demore-se lá um pouco, aprecie o local, faça compras se assim o entender, vá ao Mirador e aprecie a Praia da Nazaré vista de cima, visite a Capela da Memória ou a Igreja da Nossa Senhora da Nazaré e, quando estiver cansado, desça novamente no Ascensor até à Praia.

Se quer aproveitar a estadia para tratar da saúde, pode visitar o Barra Talasso – centro de talassoterapia, com tratamentos à base de banhos quentes e vapor de água salgada – localizado no areal, perto ao molhe norte do Porto de Abrigo. Visite o site respetivo e veja os tratamentos que eles aconselham para: aparelho circulatório, aparelho respiratório, doenças reumáticas, ansiedade, distúrbio do sono, entre outras.

Seja qual for a sua profissão ou o seu hobby, tem aqui certamente algo com que se entreter e passar bem o tempo, descontraidamente e sem stress.

São estes alguns dos principais prazeres que terá se visitar a Nazaré! Mas há outros que só descobrirá estando cá. Por isso, não pense duas vezes – venha visitar a Nazaré, pois não se arrependerá!

Nota – Leia também os artigos: O que é o Canhão da Nazaré , Biografia de Zé da Palacida – Pescador na Praia da Nazaré, A Nazaré e o futuro.

4 de Setembro de 2013

José Vagos Carreira Matias

www.josematias.pt

www.josematias.pt/eletr

www.facebook.com/jvcmatias

http://jvcmatias.blogspot.pt/

Sobre josematias

Licenciado em Engenharia Electrotécnica, ramo Energia e Potência, pelo I.S.T., em 1977, cedo comecei a leccionar no Ensino Secundário, desde 1975 até à data. A falta, então existente, de material didáctico para o apoio das aulas teóricas e práticas da área de Electrotecnia/Electrónica, fez despertar a necessidade de produzir textos de apoio para os alunos que, em colaboração com o colega Ludgero Leote, permitiu que fossem publicados os livros ‘Automatismos Industriais – Comando e regulação’, ‘Sistemas de Protecção Eléctrica’ e ‘Produção, Transporte e Distribuição de Energia’, em 1981/2/3. A partir daí, nunca mais parei de escrever, o que para mim é um prazer! O colega Leote, com outros interesses diversificados, desistiu de escrever para publicação. Escrevi ainda o livro Máquinas Eléctricas-Transformadores com o colega José Rodrigues que, entretanto, se deslocou para o Portugal ‘profundo’ (um abraço)! Tive uma curta experiência como Orientador Pedagógico, à Profissionalização, no Alentejo, muito interessante, mas que não foi suficiente para deixar o contacto directo com o aluno, e com os livros, os quais saem bastante enriquecidos com esse contacto permanente. Na verdade, é bem verdadeiro o velho ditado “ao ensinar, aprende-se duas vezes”. É esta a principal razão para continuar com o giz e o apagador, e não dentro de um qualquer gabinete, apesar dos problemas actuais do nosso ensino. Se, cada um de nós, dentro das suas possibilidades, características e competências, dermos algo aos outros, sairemos todos mais enriquecidos! O meu trabalho é fundamentalmente autodidacta, com muita pesquisa (nos livros, na Internet, no laboratório real e, agora, no virtual). Apesar das dificuldades do ensino, nunca desisti, e não vou desistir. Acredito que este país irá saber dar a volta por cima ! Depende de cada um de nós!
Esta entrada foi publicada em Biografia de Zé da Palacida - Pescador na Praia da Nazaré, Canhão da Nazaré, Garrett McNamara, Mar, Nazaré, Onda gigante, pesca, Pesca à cana, Praia da Nazaré, Surf na Nazaré. ligação permanente.

2 respostas a O Que A Nazaré Oferece Ao Turista!

  1. Caro amigo gostei e tomei a liberdade de publicar nas páginas do Google +
    Domingos António Xarepe

Deixar uma resposta