COMO TRATAR FERIDAS NOS LÁBIOS – BACITRACINA VERSUS ‘CREMES MILAGROSOS’

Vivemos na época dos cremes. Hoje em dia, há cremes para tudo e mais alguma coisa. Cremes para a cara, cremes para os pés, cremes para as mãos, cremes para os lábios, cremes para a noite, cremes para o dia, e por aí fora. Um dia também haverá cremes milagrosos para tratar os nossos pobres cérebros!

As marcas são mais que muitas, cada uma enaltecendo as vantagens do seu produto. Deve haver por aí muita gente a ganhar rios de dinheiro com os cremes.

Mas o grave da situação não é haver tantos cremes diferentes. Não tenho nada contra os cremes, desde que eles façam aquilo que apregoam. O grave é quando dizem fazer uma coisa que não fazem, ou fazem-no mal, levando o comprador ao engano, gastando dinheiro, atrasando a resolução do problema, deixando-o nervoso e preocupado, com consequências que podem ser gravosas para a sua saúde.

É esta a situação actual do mundo dos cosméticos. Um mundo que quer cada vez mais entrar na àrea da Saúde, reclamando as suas particulares competências, mas criando situações que podem ser perigosas para a saúde daqueles que, inconscientemente, são atraídos pela propaganda de certos produtos.

A situação actual é tal que as próprias Farmácias e Médicos (não sei se muitos, se poucos) também estão já feitos à situação e esquecem-se de aconselhar medicamentos de acção comprovada, em detrimento de cremes que podem ser vendidos em farmácias e parafarmácias.

Passo a explicar.

Um destes dias, acordei com os lábios rebentados, em vários pontos, sem perceber como, nem porquê. Não sei se foi algum bicho que me mordeu, se algo que comi, se de alguma alergia… não sei. Não era herpes, porque eu conheço os sintomas e não tive nenhum deles. Fiquei preocupado, porque eram três feridas que tinham aparecido. Fui a uma farmácia, onde me ‘receitaram’ um creme labial desses que se dizem ‘protectores, humidificadores e regeneradores’. Andei dois ou três dias a utilizá-lo e não via grandes progressos porque ora melhorava, ora piorava, como um ió-ió. A culpa, diziam-me depois, era de eu passar com a língua nos lábios (recordamos aqui que a língua, fazendo parte do aparelho digestivo, tem substâncias ácidas que não convêm nada às feridas abertas). Portanto, a culpa seria minha, não do produto inocente que estaria a cumprir a sua função. Mas quem é que consegue controlar a língua 24 em 24 horas, mesmo que não fizesse mais nada?? Pensei logo que tinham que me pôr em coma induzido, para poder tratar dos lábios como deve ser.

Resolvi então ir a outra farmácia, onde me ‘receitaram’ mais um creme labial de marca diferente, mas do mesmo género (protetor, humidificador e regenerador da pele). Comecei a utilizá-lo e o resultado foi semelhante. As feridas não queriam sarar e eu cada vez mais preocupado. Resolvi então marcar uma consulta de Dermatologia. Não esperava que fosse tão difícil marcar uma consulta de Dermatologia. Na CLISA, só tinham para um mês e meio depois. Numa outra clínica, só tinham para um mês depois. Na CUF – Descobertas (Parque Expo), não tinham convenção com a ADSE, mas se fosse como particular, tinha consulta no próprio dia. Ora, como eu precisava da consulta, claro que marquei logo – paguei 93 euros. Toma e embrulha! Esta médica tivera, antes, acordo com a ADSE, mas deixou de o ter, passando a atender os respetivos doentes como particulares (pagando 100% da consulta, evidentemente).

na consulta, depois de analisado o trauma labial e após algumas, poucas, perguntas, numa conversa muito curta (não esquecer que as explicações estão muito caras), a médica receitou-me um produto QUEILIP  IOOX, constituído por um creme para a noite e um baton para o dia (ambos protectores, humidificadores e regeneradores). Este é um produto espanhol que o fabricante (IOOX) diz poder ser vendido em farmácias e parafarmácias.  A médica disse-me logo que se o produto não resolvesse o problema em quinze dias, tinha que lá voltar para fazer uma biópsia – deu-me logo a entender que podia ser o pior! Não teve o cuidado de me dar alguns conselhos, algumas sugestões de alimentação, de vitaminas, etc. Só me disse para ter cuidado com a língua!! Nesta altura do campeonato disse eu logo para mim ‘não me apanhas cá mais’.

Comecei a utilizar os dois produtos, tendo um cuidado extremo em não mexer a língua, de tal forma que andava nervoso, tenso e sei lá que mais. Ao terceiro dia, como não via grandes avanços e porque andava constantemente a colocar o baton, que secava rapidamente, disse para mim ‘tem que haver um medicamento que substitua estes malditos cremes que apregoam milagres, mas não passam de charlatães. Foi aí que procurei em força na internet. Já o tinha feito antes, mas mais limitadamente. Tive que ultrapassar várias páginas iniciais do Google dedicadas a cremes e mais cremes e ao tratamento do herpes, até me aparecer finalmente uma página que me falou no medicamento Bacitracina (pomada), que eu já conhecia, mas não sabia que podia também aplicar nos lábios. Senti-me feliz pela descoberta.

Fui logo a uma farmácia (diferente das duas anteriores) e perguntei se tinham algum produto para tratar feridas labiais como as minhas, que eu mostrei. A funcionária (não reparei se era farmacêutica ou ajudante técnica), com cerca de 40 anos, lembrou-se imediatamente de me receitar um creme (diferente dos outros), em boião, ao que eu torci o nariz, perguntando-lhe eu directamente se a Bacitracina não era para tratar casos como o meu …….., ao que ela respondeu de imediato ‘sim, sim, se prefere, vou buscar’. E foi, finalmente, buscar, entregou-mo, paguei-lhe e saí feliz da farmácia. À tardinha, comecei a utilizar a pomada. Na manhã seguinte, já tinha melhoras; no dia a seguir, ainda mais e ao terceiro dia, já tinha as feridas labiais tapadas – o resto da cicatrização era uma questão de tempo.

A Bacitracina Zimaia (de seu nome) aguenta-se muito tempo nos lábios, o que automaticamente não induz a necessidade de passar com a língua nos lábios. Na verdade, nós só passamos com a língua nos lábios quando os sentimos secos. Se não os sentirmos secos, consciente ou insconscientemente, não passamos com a língua. Esta é uma enorme vantagem da Bacitracina em relação aos tais cremes milagrosos, para além de outras vantagens que  o medicamento terá, resultantes dos seus excipientes químicos, dada a rapidez com que as feridas foram tapadas. Existe um outro medicamento vendido em Portugal – o Polisulfadê – que também tem Bacitracina (princípio activo) e um outro excipiente que eu não sei se pode ser utilizado nos lábios. Ambos são utilizados para sarar feridas na pele.

Descobri, depois, que, após a ferida fechada, não se deve abusar da Bacitracina porque começa a formar-se nova pele por cima da inferior, prejudicando o processo de cicatrização. Para manter os lábios húmidos (necessário ao processo de cicatrização e para evitar que, ao secarem, os lábios fiquem colados e levantem as novas peles formadas), utilizei vaselina (no caso, Vasenol), de dia e de noite,  que se aguenta muito bem nos lábios, evitando a colagem de lábios – muito melhor do que os cremes milagrosos, que secam rapidamente.

Evidentemente que o Sistema Imunitário também deve ser ajudado com vitaminas, nomeadamente: A, B (biotina), D, E e o mineral zinco – há suplementos vitamínicos que contêm isto tudo. Deve-se também: evitar todos os alimentos ácidos (a maçã é óptima); evitar o calor, exterior ou dos próprios alimentos; ter cuidado com a pasta de dentes que também fere a ferida e prejudica a cicatrização (as lojas de produtos naturais vendem dentífricos à base de produos naturais, menos agressivos, sem flúor e sem sulfatos; na internet pode-se também encontrar receitas para fazer pastas dentríficas menos agressivas). E também deve dizer-se que a existência de cancro como rastilho para uma situação destas não deve ser descartada. Mas evidentemente que não devemos pensar logo no pior, antes de tentar a cura normal com o Sistema Imunitário e a ajuda de cicatrizantes eficazes.

O motivo que me levou a escrever este texto não foi o de malhar nos médicos e farmacêuticos (embora me cause enorme perplexidade esta fixação de farmacêuticos e médicos pelos cremes, em detrimento dos medicamentos), mas sim o de alertar os incautos, como eu, para fugirem da propaganda dos cremes maravilhosos e procurarem activamente medicamentos nas farmácias. Se calhar, o meu erro foi o de ter ido a um Dermatologista e não a um médico de Clínica Geral, que não estaria provavelmente tão preso aos ditames dos cremes maravilhosos.

Portanto,  não esqueçam, se têm feridas labiais, não gastem dinheiro em cremes labiais, comprem logo o medicamento, em pomada, Bacitracina na farmácia, nada mais. É barata (6,70 euros), resolve o problema rapidamente e dá para muito tempo, podendo ser utilizada para resolver outros traumas da pele. Os cremes labiais servirão de prevenção e de manutenção dos lábios húmidos, quando não existem feridas abertas.

 

Partilhem este texto para alertarem os vossos amigos!

 

Lisboa, 6 de Julho de 2016

José V C Matias

Sobre josematias

Licenciado em Engenharia Electrotécnica, ramo Energia e Potência, pelo
I.S.T., em 1977, cedo comecei a leccionar no Ensino Secundário, desde 1975
até à data.
A falta, então existente, de material didáctico para o apoio das aulas
teóricas e práticas da área de Electrotecnia/Electrónica, fez despertar a
necessidade de produzir textos de apoio para os alunos que, em colaboração
com o colega Ludgero Leote, permitiu que fossem publicados os livros
‘Automatismos Industriais – Comando e regulação’, ‘Sistemas de Protecção
Eléctrica’ e ‘Produção, Transporte e Distribuição de Energia’, em 1981/2/3. A
partir daí, nunca mais parei de escrever, o que para mim é um prazer! O colega
Leote, com outros interesses diversificados, desistiu de escrever para
publicação.
Escrevi ainda o livro Máquinas Eléctricas-Transformadores com o colega
José Rodrigues que, entretanto, se deslocou para o Portugal ‘profundo’ (um
abraço)!
Tive uma curta experiência como Orientador Pedagógico, à
Profissionalização, no Alentejo, muito interessante, mas que não foi suficiente
para deixar o contacto directo com o aluno, e com os livros, os quais saem
bastante enriquecidos com esse contacto permanente. Na verdade, é bem
verdadeiro o velho ditado “ao ensinar, aprende-se duas vezes”. É esta a
principal razão para continuar com o giz e o apagador, e não dentro de um
qualquer gabinete, apesar dos problemas actuais do nosso ensino. Se, cada um
de nós, dentro das suas possibilidades, características e competências, dermos
algo aos outros, sairemos todos mais enriquecidos!
O meu trabalho é fundamentalmente autodidacta, com muita pesquisa (nos
livros, na Internet, no laboratório real e, agora, no virtual). Apesar das
dificuldades do ensino, nunca desisti, e não vou desistir. Acredito que este
país irá saber dar a volta por cima ! Depende de cada um de nós!

Esta entrada foi publicada em Bacitracina, Cremes, Cremes labiais, Feridas, Feridas nos lábios, Lábios, Pomadas para lábios, tratamento feridas lábios. ligação permanente.

3 respostas a COMO TRATAR FERIDAS NOS LÁBIOS – BACITRACINA VERSUS ‘CREMES MILAGROSOS’

  1. inez barbosa da silva diz:

    Jose Matias, bom dia ! Excelente tudo que escreveu. Estou passando exp. parecida . Vou seguir suas orientações. Não sei se aqui no Brasil fabricam este medicamento com principio ativo de Bacitracina, mas vou procurar. Muito obrigada por compartilhar sua experiência pessoal . Continue nos ajudando . Sua maneira de escrever é bem clara e transmite confiabilidade. Desejo – lhe muita saúde e felicidade por desejar o bem de todos nós.

    • josematias diz:

      Quero acrescentar que a Bacitracina de facto atua muito rápida a sarar feridas labiais. No entanto, é preciso descobrir as causas, consultando um médico. No meu caso, tive recaídas constantes, porque descobri depois que tinha candidíase (provocada por um antibiótico)com manchas debaixo dos braços e as bolhas nos lábios. Por isso, tive que tomar um medicamento para a candidíase.
      jm

  2. Lilia diz:

    Muito obrigado por relatar sua experiencia estou passando por este problema e tentando varios cremes alem da vaselina recomendada tb . Moro nos USA ontem a noite estive olhando umas pomadas que trouxe do Brasil e vi esta com este ” sulfato de neomicina mais bacitracina’ para infeccoes e ferimentos na pele estava sem saber o que fazer quando resolvi entrar no Google e me deparei com seu relato ! parece me um recado de Deus . Estou sem saber quantas vezes posso passar durante o dia . Muito obrigado ! Deus te abencoe !

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *